Início Opinião De... Ministro 10 : Caçador que anda atrás de búfalo não se distrai atirando pedras aos passarinhos. 

Ministro 10 : Caçador que anda atrás de búfalo não se distrai atirando pedras aos passarinhos. 

347
0
COMPARTILHE

Era terça feira de manhã quando Makanda jurou ser Ministro. Jurou com palavras que leu, assinou juramento, e entregou papel jurado ao Mukhulhwani dos Ministros que chamou ele para sentar na cadeira de Ministro.  Deram Makanda copo pequeno de pouca bebida que não sabe o que é. Com copo dele não cheio tocou no copo do Mukhulhwani grande para fazer aquela coisa de brindar, tipo palhar de gente grande. Pessoas tipo padrinho de juramento que viu tudo, brindou com Makanda, um a um. Makanda estava com nervoso e confuso. Makanda nunca esteve contente e com medo no mesmo tempo. Quando era medo, era medo sozinho. Quando era contente era contente sozinho. Agora os dois estava juntos no coração dele.

Jornalistas que estava no juramento não brindou nada. Só fazer fotografia. Quando tudo acabou, jornalistas empurrou microfone na boca de Makanda e outro acendeu luz grande de filme. Outro empurrou gravador pequeno para boca de Makanda também. Todos jornalistas falar mesmo tempo para perguntar perguntas. Outro pergunta como Makanda se sente? Outro pergunta como vai resolver problema do povo. Ainda outro pergunta como vai corrigir problemas de outro Ministro que saiu. Makanda fica mais confuso. Com luz grande, microfone, gravador e perguntas assim mesmo. Afinal jornalista era assim. Tinha direito de perguntar de qualquer maneira sem aviso. Povo quer resposta de pessoas de Governo e jornalista parece é pessoa que tem pergunta do povo e resposta de governo. Jornalista pode fazer assim? Pode empurrar coisas para boca de Ministro sem dalicença? Como Makanda pode responder que tem medo e contentamento juntos? Como jornalista pode pensar que Makanda já tem solução do povo sem sentar na cadeira? Makanda nem sabe bem ainda qual é problema. Afinal Ministro é como mecânico que resolve avarias?

Makanda aprendeu muito tempo que Mukhulhwani de Livaleni não é resolvedor de problema. Mukhulhwani é para saber caminho bom de andar para frente com todos mais os bois, os cães e os cabritos. Mukhulhwani tem que escolher caminho bom que não tem nem faz problemas. Quando engana no caminho, aprende caminho bom. Makanda aprendeu que saber coisas chega devagarinho e sempre. Povo da aldeia pensa e diz que saber coisas é como lume. Pessoa pega de outra pessoa. Pai de Makanda sempre falou que pessoa que pensa que sabe tudo para resolver, não tem esperto na cabeça. Pessoa que sabe que não sabe tem esperto muito grande. Também aprendeu que vida tem coisa mal e tem coisa boa. Pessoa má e pessoa boa. Trabalho mau a trabalho bom. Mas a vida aprendida na vida também mostra que pessoa boa pode fazer ou ter coisas más e pessoa má pode fazer vice-versa. Lá no Livaleni quando leão velho e doente  foi mandando embora do grupo, pessoas pode ficar com pena dele. Quando velho leão persegue gazela pequenina e consegue matar para comer pouco, pessoa pode bater palmas de contente. É como ajudar aquele velho leão não morrer depressa com fome. Mas matou gazelinha. Mas se mesma gazelinha é matada por muitos leões que não está doente, pessoas pode pensar coitadinho da gazelinha. Leão fez mal matar ela. Mesmo com pessoas é assim. Quando pessoa que é boa mata pessoa que é má, matar pode ser boa coisa. Mas quando pessoa muito má mata pessoa que muito boa, matar já não presta. Guerra como é? Quando soldado daqui mata soldados de ali ele pensa que é bom. Até pode ser herói. Mas para soldado de ali, esse matar não foi bom. Mau e bom varia. Então como responder a jornalista que quer saber logo ali como Makanda sente coração? Ou como vai resolver problema do povo? Ou ainda como vai corrigir o mal que outro Ministro deixou?

Makanda pensou devagar e juntou coisas de Livaleni, de escola, de pai dele e de vida e falou que estava contente porque pode ajudar mostrar caminho bom, mas também triste porque mostrar caminho bom sozinho é trabalho muito e grande. Falou mais que ele sozinho não pode resolver problemas de muitos outros. Como fala povo resolver problema é como abraçar embondeiro. Precisa muitos pessoas dar mão de abraçar. Jornalista queria fazer outras perguntas, mas Makanda foi chamado correr para reunião dos Ministros de terça feira. Escapou de perguntas. Mas no carro pensamento dele voava muito. Nem viu bem que tinha carro bem bonito, com jornal e com água. Pensamento dele andou pensar que essa coisa de Ministro tem confusão. Contente vai andar junto com triste. Chorar há de vir junto com rir. Resolver problema vai trazer novo problema. Acertar vai andar junto com errar. Mau e bom vão viver juntos com Makanda. E toda a gente vai ver. Mas quer escolher ver só o bom, o certo, a solução e contente. Problema? Não. Triste? Nem pensar. Mau? Nunca! Mas Makanda pensou que melhor é ver isso de Ministro como escola que aprende e ensina para ter muitos braços abraçar embondeiro. Lá na escola grande aprendeu que um senhor falou que País não é terra, montanhas, rios e florestas. Pais é princípio, patriotismo e soberania. Sempre ameaçados.  Ministro é pessoa para ajudar contra ameaça. Makanda pensou vou procurar esse principio e ajudar. Quando chegou na reunião, Mukhulhwani grande falou que Ministro é responsabilidade grande que sempre recebe culpa. Makanda aceitou culpa antes de errar. E começou mais sem medo lembrando que no Livaleni fala que caçador que anda atrás de búfalo não distrai atirando pedras aos passarinhos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here