Início Sociedade Katembe e a revolução que virá da ponte

Katembe e a revolução que virá da ponte

216
0
COMPARTILHE

Se o distrito municipal da Katembe, na cidade de Maputo, era mero refugo de lazer, de praia e uma passagem circunstancial e penosa para a Ponta de Ouro, com a inauguração da ponte que liga os dois lados da baia de Maputo, torna-se num potencial polo de desenvolvimento económico e turístico para o país.

Porém, para ser referência nacional terá primeiro que sê-lo para o próprio distrito e suas populações, cuja maioria ainda vive com elevados índices de pobreza, com cerca de 80 porcento vivendo de uma agricultura familiar.

A ponte Maputo-Katembe inaugurada pelo Presidente da República, Filipe Nyusi, a 10 de Novembro último (sábado) e que ostenta o estatuto de maior ponte suspensa do continente africano e consta na “galeria” das 70 referências do mundo com estas características, vai originar uma demanda de investimentos.

Não é para menos, segundo a empresa Maputo Sul gestora da ponte e estradas relacionadas, em média, cerca de 4 mil viaturas farão a travessia diariamente, sendo de assinalar que nas primeiras 24 horas (das 15 horas de domingo as 15 horas de segunda-feira) após sua inauguração, mais de 6 mil viaturas percorreram esta ponte histórica.

Aliás, a expectativa de crescimento deste distrito nos é ilustrada pela estimativa demográfica para as próximas décadas. Segundo dados do Censo Geral da População e Habitação de 2017, KaTembe possui uma população que ronda os 32 mil e 248 habitantes e à luz do Plano Geral de Urbanização do Distrito Municipal KaTembe (PGUDMK), nos próximos 25 anos, este distrito municipal terá cerca de 400 mil habitantes!

Pois, este plano prevê um desenvolvimento urbano numa extensa área de pouco mais 4 mil hectares urbanizáveis que hoje apresentam características rurais, com infra-estruturas urbanas residuais e serviços públicos ainda insipientes.

Assim, a ponte ora inaugurada, com pompa e circunstância, apresenta boas condições de segurança, de comodidade e de rapidez, que o ferry boat, sendo de assinalar que por dia transporta, em média, somente 200 viaturas, sem falar frequentes avarias e interrupções.

Segundo o plano de urbanização dirigido pelo Conselho Municipal da Cidade de Maputo, com a ponte vai-se observar uma revolução no estabelecimento de novas infra-estruturas e serviços na Katembe.

Prevê-se um núcleo habitacional, incluindo-se prédios, parcelas para comércio e centros de negócios, indústria e serviços de logística. Por outro lado, desponta um relevante polo de turismo, considerando que a ponte liga, através da nova estrada ligada ao projecto, com rapidez à Ponta do Ouro e logo a Africa do Sul.

Esta ponte constitui também atração porque finaliza a ligação via terrestre do Rovuma ao extremo sul do país, além da ligação africana, do Cairo (no Egipto) ao Cabo (na África do Sul).

Todas estas expectativas de crescimento económico e turístico com a inauguração da ponte constituem um leque de oportunidades para as populações da Katembe, através de acesso a emprego e potenciais parceiros comerciais, além da aproximação dos vários serviços desde públicos e privados, com destaque para Educação e Saúde

 

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here